Workloads of Nurses in the Family Health in Brazil: What the Literature Says

Authors

  • Jonas Sâmi Albuquerque de Oliveira Federal University of Rio Grande do Norte
  • Daiane Biff Federal University of Santa Catarina
  • Denise Elvira Pires de Pires Federal University of Santa Catarina
  • Francele Luz Machado Federal University of Santa Catarina
  • Didiana Ferreira Souza Federal University of Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.3823/2187

Keywords:

Nurse; Family Health Strategy; Workload, Nurse, Family Health Strategy, Workload.

Abstract

Introduction: Workload (WL) is expressed in the working process elements which when interacting with each other and with the worker’s body can materialize themselves into distress, many times as an attempt of adaptation to the work demands. The nurse’s work in the Family Health Strategy (FHS) exposes him to different types of WL and they can be divided into: Psychical, physiological, biological, mechanical and chemical.

Objective: To analyze what is being published in the literature regarding workload within the Family Health Strategy in Brazil identifying generator elements and relating them to the types of loads.

Method: Integrative revision of the oriented literature through previous protocol, with data collected by two independent collaborators in the following data basis: PUBMED, LILACs, SCIELO and CAPES Bank of Theses in the languages described in Portuguese, English and Spanish in the period from 1994 to 2014. The study inclusion and exclusion descriptions obeyed requirements established by Ganong (1987) and Whittemore (2005). The Atlas.ti® software was used as a resource for storage and analysis of the studies.

Results: No research work specifically approached the WL of nurses in the FHS. There are seven research works that approach the workloads of family health teams, which include the nurses. A total of eight research works approach the health of the FHS teams topic in which it was possible to identify generator elements of WL. From the set of the studies it was identified the presence of psychical, physical, physiological, mechanical and biological loads with predominance of the first ones. There were not found chemical loads.

Conclusion: The work of the FHS is exposed to multiple WL generator elements, mainly the psychical loads, followed by the physiological and mechanical ones. However, there is the need of studies aiming to investigate such phenomenon, forming a field to be studied. 

Author Biographies

Jonas Sâmi Albuquerque de Oliveira, Federal University of Rio Grande do Norte

Nursing department

Daiane Biff, Federal University of Santa Catarina

Nursing department

Denise Elvira Pires de Pires, Federal University of Santa Catarina

Nursing Department

Francele Luz Machado, Federal University of Santa Catarina

Nursing Department

Didiana Ferreira Souza, Federal University of Santa Catarina

Nursing Department

References

Soratto J. Estratégia Saúde da Família: uma inovação tecnológica em saúde. Texto Contexto Enferm. 2015; 24(2): 584-92.

Fertonani H P. Modelo assistencial em saúde: conceitos e desafios para a atenção básica brasileira. Ciênc. saúde coletiva. 2015; 20 (6): 1869-78.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Programa Nacional de Atenção Básica. Brasília; 2012.

Pires DEP. A enfermagem enquanto disciplina, profissão e trabalho. Rev. Bras. Enferm. 2009; 62(5): 739-44.

Bertoncini JH; Pires DEP; Scherer MDA. Condições de trabalho e renormalizações nas atividades das enfermeiras na saúde da família. Trab. Educ. Saúde. 2011; 20 (9): 157-73.

Paula M. Características do processo de trabalho do enfermeiro da Estratégia de Saúde da Família. Rev Min Enferm. 2014; 18(2): 454-62.

David HMS. Organização do trabalho de enfermagem na Atenção Básica: uma questão para a saúde do trabalhador. Texto & Contexto Enferm. 2009: 18(2): 206-14, 2009.

Trindade LL. Satisfação e insatisfação no trabalho de profissionais de saúde da atenção básica. Esc. Anna Nery. 2014; 18(1): 17-24.

Trindade LL. Trabalho na Estratégia da Saúde da Família: implicações nas cargas de trabalho de seus profissionais. Cogitare Enferm. 2014; 19(3): 528-35.

Scmoeller R. Cargas de trabalho e condições de trabalho da enfermagem: revisão integrativa. Rev. Gaúcha Enferm. 2011; 32 (2): 368-77.

Laurell AC; Noriega M. M. Processo de produção e saúde: trabalho e desgaste operário. São Paulo: Hucitec, 1989.

Kirchhof AL. Compreendendo cargas de trabalho na pesquisa em saúde ocupacional na enfermagem. Colomb Med. 2011; 42(supl.1): 113-19.

Ganong L. Revisão integrativa na pesquisa de enfermagem. Res. Nursing Health. 1987; 10(1): 1-11.

Whittemore R; Knafl K. The integrative review: updated methodology. J. adv. nurs. 2005; 52(5): 546-53.

Forte ECN; Medeiros F; Pires DEP. Protocolo de revisão integrativa de literatura sobre a satisfação no trabalho dos enfermeiros/as da Atenção Primária em Saúde. 2013. Florianópolis, Santa Catarina.

Silva ABF. A Supervisão do Agente Comunitário de Saúde: limites e desafios para a enfermeira. 2002. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Moura FJM. O mundo do trabalho da enfermeira no programa saúde da família: riscos e desgastes no enfrentamento da violência estrutural. 2005. Tese (Doutorado em Enfermagem) - Pós-graduação em Enfermagem da Escola de Enfermagem Anna Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Reis VM. O trabalho do enfermeiro no PSF e a vivência de situações de prazer e sofrimento no trabalho. 2007. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Faculdade de Enfermagem UERJ.

Santos VC; Soares CB; Campos CMS. A relação trabalho-saúde de enfermeiros do PSF no município de São Paulo. Rev. Esc. Enferm. 2007; 41(1): 777-81.

Colomé ICS; Lima MADS; Davis R. Visão de enfermeiras sobre as articulações das ações de saúde entre profissionais de equipes de saúde da família. Rev. Esc. Enferm. USP. 2008; 42(2): 256-61.

Cezar-vaz MR. Percepção do risco no trabalho em saúde da família: estudo com trabalhadores no sul do Brasil. Rev. Latinoam. Enferm. 2009; 17 (6): 961-67.

Pavoni DS; Medeiros CRG. Processo de trabalho na Estratégia Saúde da Família. Rev. Bras. Enferm. 2009; 62(2): 265-71.

Medeiros CRG. A rotatividade de enfermeiros e médicos: um impasse na implementação da Estratégia de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva. 2010; 15(n. espec.): 1521-31.

Albuquerque MIN. Estratégia de Saúde da Família: um estudo sobre o processo e as condições de trabalho dos trabalhadores de saúde. 2011. Tese (Doutorado em Serviço Social) - Programa de Pós-graduação em Serviço Social da UFPE.

Jonas LT; Rodrigues HC; Resck ZMR. A função gerencial do enfermeiro na Estratégia Saúde da Família: limites e possibilidades. Rev. Aps. 2011; 14(01): 28-38.

Freitas ACSRV. Forças impulsoras e restritivas para o trabalho em equipe em Unidades Básicas de Saúde da família. 2011. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Pós-graduação da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Goiás.

Roecker S; Budó MLD; Marcon SS. Trabalho educativo do enfermeiro na Estratégia Saúde da Família: dificuldades e perspectivas de mudanças. Rev. Esc. Enferm. 2012; 3(46): 641-49.

Fernandes JSA. A relação dos aspectos profissionais na qualidade de vida dos enfermeiros das equipes Saúde da Família. Rev. Esc. Enferm. 2012; 46(2): 404-12.

Shimizu HE; Carvalho Junior DA. O processo de trabalho na Estratégia Saúde da Família e suas repercussões no processo saúde-doença. Ciência & Saúde Coletiva. 2012; 9(17): 2405-14.

Almeida JLS. Violência contra enfermeiras da Estratégia de Saúde da Família: caracterização e implicações. 2012. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Universidade Federal da Paraíba.

Caçador BS. Configuração identitária do enfermeiro na Estratégia de Saúde da Família. 2012. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Pós Graduação da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais.

Arantes MQ. Cuidado em saúde: um enfoque sob necessidades de saúde na ótica de enfermeiros (as) na estratégia de saúde da família. 2012. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Programa de Enfermagem Materno-infantil e Saúde Pública, Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto.

Oliveira MB. Educação em saúde como prática de enfermeiros na Estratégia Saúde da Família. Rev Rene. 2013; 14(5): 894-903.

Trindade LL; Pires DEP. Implicações dos modelos assistenciais da atenção básica nas cargas de trabalho dos profissionais de saúde. Texto contexto enferm. 2013; 22(1): 36-42.

Trindade LL. Satisfação e insatisfação no trabalho de profissionais de saúde da atenção básica. Esc. Anna Nery, 2014;18(1): 7-24.

Trindade LL. Trabalho na Estratégia da Saúde da Família: implicações nascargas de trabalho de seus profissionais. Cogitare Enferm. 2014; 19(3): 528-35.

Rocha JBB. O trabalho da enfermeira no programa saúde da família em Floriano (PI). 2006. Tese (Doutorado em Enfermagem) - Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Escola de Enfermagem Anna Nery.

Pires DEP. Novas tecnologias e trabalho em saúde parte II: inovações tecnológicas não materiais e cargas de trabalho dos profissionais de saúde. 2014. (Relatório de Pesquisa), Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

Trindade LL. Implicações de dois modelos assistenciais nas cargas de trabalho dos profissionais de saúde da atenção básica. 2011. Tese (Doutorado em Enfermagem) - Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Catarina.

Marx K. O Capital: crítica da economia política. Vol 1, T, 1. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

Trindade LL; Amestoy SC; Pires DEP. Revisão da produção teórica latino-americana sobre cargas de trabalho. Enfermeria Global. 2013; 29(1): 373-92.

Martins JT. Significado de cargas no trabalho sob a ótica de operacionais de limpeza. Acta Paul Enferm. 2013; 26(1): 63-70.

Downloads

Additional Files

Published

2016-11-19

Issue

Section

Nursing

Most read articles by the same author(s)