Nursing Training and Practice on Humanization Actions in Monitoring the Delivery in Brazil

Authors

  • Herla Maria Furtado Jorge PhD student of the Postgraduate Program in Obstetrics and Gynecology, State University of Campinas. Professor of the Undergraduate Nursing Course, University of Fortaleza, Fortaleza.
  • Maria Yolanda Makuch

DOI:

https://doi.org/10.3823/2083

Keywords:

Humanized Childbirth, Obstetric Nursing, Prenatal care, Education.

Abstract

Objective: conduct a review in the scientific literature to identify what studies portray on nursing training and practice for humanizing actions in care for pregnant women and mothers in Brazil. Method: this is a integrative systematic review of the literature, conducted from October to November 2014 from crossing the descriptors "Humanized Childbirth", "Obstetric Nursing", "Prenatal care" and "Training" in databases SciELO, Lilacs and BDENF, published between the years 2004 and 2014, in Portuguese language, which identified 75 articles, and after reviewing them, based on the established criteria, 28 were selected for analysis. Results: nursing training was permeated by movements and attempts to improve education and actions to promote humanized birth. Conclusion: there is the need for enhancing the training of professionals, broadening the debate on the humanization of delivery care and, above all, an urgent change of knowledge and practices to promote the humanization of pregnancy, labor and birth. 

References

Riesco MLG, Tsunechiro MA. Formação profissional de obstetrizes e enfermeiras obstétricas: velhos problemas ou novas possibilidades? Rev estudos feministas. 2002;10(2);450-459.

Bessa LF, Mamede MV. Ação educativa: uma perspectiva para humanização do parto? Rev Baiana de Enfermagem. 2010; 24(1, 2, 3):11-22.

Fundação Oswaldo Cruz. Nascer no Brasil Sumário Executivo Temático da Pesquisa. FIOCRUZ. Rio de Janeiro; 2011. p.1-7.

Organização mundial de saúde. Maternidade segura. Assistência ao parto normal: um guia prático. Genebra; 1996.

Betran A, Merialdi M, Lauer J, Bing-Shun W, Thomas J, Van Look P, et al. Rates of caesarean section: analysis of global, regional and national estimates.Paed Perinat Epidemiol. 2007;21(2):98-113.

Patah LEM, Ana MM. Modelos de assistência ao parto e taxa de cesárea em diferentes países. Rev. Saúde Pública. 2011;45(1):185-194.

Brasil. Ministério da Saúde; Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília; 2001.

Faúndes A, Cecatti JG. A Operação Cesárea no Brasil. Incidência, Tendências, Causas, Conseqüências e Propostas de Ação. Caderno de saúde pública. 1991:7(2):150-173.

Calderon IMP, Cecatti JG, Veja CEP. Intervenções benéficas no pré-natal para prevenção da mortalidade materna. Rev Bras Ginecol Obstet. 2006; 28(5): 310-5.

Cecatti JG, Calderón IMP. Intervenções benéficas durante o parto para a prevenção da mortalidade materna. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005; 27(6): 357-65.

Brasil. Ministério da Saúde; Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher – Princípios e Diretrizes. Brasília; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde; Programa de Humanização ao Pré-natal e Nascimento. Brasília. DF; 2000.

Brasil. Ministério da Saúde; Assistência ao pré-natal. Manual técnico. Brasília; 2000.

Brasil. Ministério da Saúde; Política Nacional de Humanização. [internet] Brasília; 2004. [Citado 2015 mar. 15] Disponível em: http://portal.saude.gov.br/saude/area.cfm?id_area=390>.

Brasil. Ministério da Saúde; Manual Prática para Implementação da Rede Cegonha. Brasília; 2011a.

Porfírio AB, Progianti JM, Souza DOM. As práticas humanizadas desenvolvidas por enfermeiras obstétricas na assistência ao parto hospitalar. Rev. Eletr. Enf. 2010;12(2):331-6.

Victora CG, Aquino EML, Leal MC, Monteiro CA, Barros FC, Szwarcwaldet CL. Saúde de mães e crianças no Brasil: progressos e desafios. The Lancet. 2011;32-46.

Costa AANM, Schirmer J. A atuação dos enfermeiros egressos do curso de especialização em obstetrícia no nordeste do Brasil: da proposta à operacionalização. Esc. Anna Nery [online]. 2012; 16(2):332-339.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Rev Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2008 Out-Dez; 17(4): 758-64.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2008.

Moura CFS, Lopes GT, Santos TCF. humanização e desmedicalização da assistência à mulher: do ensino à prática. Rev. enferm. UERJ. 2009;17(2):182-7.

Rolim KMC, Campos ACS, Cardoso MVLM L, Silva RM. Sensibilizando os discentes para o cuidado humanizado: vivências do ensino-aprendizagem. Rev. RENE. 2004;5(2):79-85.

Silva RM, Gurgel AH, Moura ERF. Ética no processo ensino-aprendizagem Em enfermagem obstétrica. Rev. esc. Enferm. USP. 2004;38(1):28-36.

Rocha TA, Bonilha ALL. Formação das enfermeiras para a parturição: implantação de um hospital universitário na década de 80. Esc Anna Nery Rev Enferm 2008 dez; 12(4): 651-57.

Carvalho FAM, Oriá MOB, Pinheiro AKB, Ximenes LBX. Significado do trabalho de parto: a perspectiva dos acadêmicos de enfermagem. Acta Paul Enferm. 2009;22(6):767-72.

Tyrrel MAR, Santos AEV, César EAJ, Lucas F. Ensino de Enfermagem Obstétrica no Brasil: (des)acertos 1972-1996. Rev. bras. enferm. 2005;58(6):677-681.

Silveira JC, Riescoll MLGI. Ensino da prevenção e reparo do trauma perineal nos cursos de especialização em enfermagem obstétrica. Rev. enferm. UERJ. 2008;16(1):512-7.

Sacramento MTP, Tyrrell MARl. Vivências das enfermeiras nos cursos de especialização em enfermagem obstétrica. R Enferm UERJ. 2006; 14(3):425-33.

Hotimsky SN, Schraiber LB. Humanização no contexto da formação em obstetrícia. Rev Cienc Saude Colet.2005;10(3):639-49.

Progianti JM, Porfírio AB, Pereira ALF. Capacitação de enfermeiras no japão: contribuição para a implantação da casa de parto no rio de janeiro. Rev Texto Contexto Enferm. 2013: 22(1):193-200.

Rocha TA, Bonilha ALL. A enfermeira obstétrica: agente estratégico na implantação de práticas do modelo humanizado em maternidades. Rev. enferm. UERJ. 2009: 17(2):165-169.

Pereira ALF, Nicácio MCN. Formação e inserção profissional das egressas do curso de residência em enfermagem obstétrica. Rev enferm UERJ. 2014: 22(1):50-6.

Vargens OMC, Progianti JM, Silveira ACF. O significado de desmedicalização da assistência ao parto no hospital: análise da concepção de enfermeiras obstétricas. Rev Esc Enferm USP. 2008;42(2):339-46.

Barbastefano OS, Girianelli VR; Vargens OMC. O acesso à assistência ao parto para parturientes adolescentes nas maternidades da rede SUS. Rev. Gaúcha Enferm. 2010;31(4):708-714.

Figueiredo NMA, Tyrrell MAR,Carvalho V, Leite JL. Indicadores de cuidados para o corpo que pro-cria: ações de enfermagem no pré-trans e pós-parto - uma contribuição para a prática de enfermagem obstétrica. Rev Lat Am Enferm. 2004;12(6):905-912.

Davim RMB; Torres GV; Dantas JC. Efetividade de estratégias não farmacológicas no alívio da dor de parturientes no trabalho de parto. Rev. esc. enferm. 2009;43(2):438-45.

Barbosa PG, Carvalho GM, Oliveira LR. Enfermagem obstétrica: descobrindo as facilidades e dificuldades do especialista nesta área. O Mundo da Saúde São Paulo. 2008; 32(4):458-465.

Bruggemann OM, Monticelli M, Fernandes VB, Fernandes V B, Boing AF, VolknerI C, et al. Percepção dos profissionais de saúde sobre a filosofia assistencial de uma maternidade pública da região sul do Brasil. Rev. bras. enferm. [online]. 2011;64(1):123-129.

Silva RC, Soares MC, Jardim VMR, Kerber NPC, Meincke SMK. O discurso e a prática do parto humanizado de adolescentes. Texto contexto - enferm. 2013;22(3):629-636.

Simões SMF, Jesus DV, Boechat JS. Assistência ao parto e nascimento: um estudo quantitativo. Online Braz, J. Nurs. 2007;6(2).

Nagahama EEI, Santiago SM. Humanização e eqüidade na atenção ao parto em município da região Sul do Brasil. Acta paul. enferm. 2008;.21(4); 609-615.

Davim RMBT. Avaliação do uso de estratégias não farmacológicas no alívio da dor de parturientes. Rev. RENE. Fortaleza. 2008;9(2):64-72.

Nagahama EEI, Santiago SM. Práticas de atenção ao parto e os desafios para humanização do cuidado em dois hospitais vinculados ao Sistema Único de Saúde em município da Região Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. 2008;24(8):1859-1868.

Castro JC, Clapis JM. Parto humanizado na percepção das enfermeiras obstétricas envolvidas com a assistência ao parto. Rev Lat Am Enferm. 2005: 13(6):960-970.

Ferreira SL, Rocha MMS, Nunes IM. Atuação de enfermeiras obstetras no sistema único de saúde (SUS-BA): estudo entre as egressas dos cursos de especialização em enfermagem obstétrica da EEUFBA. Rev Baiana de Enferm, Salvador. 2009;22(1, 2, 3):23-32.

Fujita JALM, Shimo AKK. Parto humanizado: experiências no sistema único de saúde. Revista mineira de enfermagem. REME Rev Min Enferm. 2014; 18(4): 1006-1010.

Merhy EE, Franco TB. Por uma composição técnica do trabalho em saúde centrada no campo relacional e nastecnologias leves: apontando mudanças para modelos técnico-assistenciais. Rev Saúde em Debate. 2003; 27: 316-23

Progianti JM, Mouta RJO. A enfermeira obstétrica: agente estratégico na implantação de práticas do modelo humanizado em maternidades. Rev. enferm. UERJ. 2009; 17(2):165-9.

Wendhausen ALP, Rivera S. O cuidado de si como princípio ético do trabalho de enfermagem. Rev Texto Contexto Enferm. 2005; 14(1): 111-9.

Reis AE, Patrício ZM. Aplicação das ações preconizadas pelo Ministério da Saúde para o parto humanizado em um hospital de Santa Catarina. Cienc. saude colet. 2005; 10(sup): 221-30.

Velasque EAG, Cabral FB, Pradebon VM. O enfermeiro no processo parir/nascer: estratégia de cuidado e humanização do parto. R. Enferm. UFSM. 2011; 1(1);80-87.

Brüggemann O M, Osis MJD, Parpinelli MA. Apoio no nascimento: percepções de profissionais e acompanhantes escolhidos pela mulher. Rev Saúde Pública. 2007; 41(1):44-52. 2007.

O cuidado de si como princípio ético do trabalho de enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2005; 14(1): 111-9.

Garcia SAL, Lippi UG, Garcia SAL. O parto assistido por enfermeira obstetra: perspectivas e controvérsias. RBPS, Fortaleza. 2010; 23(4):380-388.

Dias MAB, Domingues RMSM. Desafios na implantação de uma política de humanização da assistência hospitalar ao parto. Ciênc Saúde Coletiva 2005; 10:669-705.

Progianti JM, Costa RF. Práticas educativas desenvolvidas por enfermeiras: repercussões sobre vivências de mulheres na gestação e no parto. Rev Bras Enferm. 2012: 65(2):257-63.

Amestoy SC, Schwartz E, Thofehrn MB. A humanização do trabalho para os profissionais de enfermagem. Acta Paul Enferm. 2006;19(4):444-9.

Brasil. Ministério da Saúde; Secretaria de Políticas de Saúde. Ãrea Técnica de Saúde da Mulher. Comitê de Especialistas em Enfermagem Obstétrica: diretrizes para elaboração de projetos de cursos de especialização em enfermagem obstétrica. Brasília; 2004.

Downloads

Published

2016-08-30

Issue

Section

Obstetrics & Gynecology

Most read articles by the same author(s)